Forma ou Peça

Home / Blog / Forma ou Peça

 

 

 

Nos relacionamentos com as pessoas, tendemos a acreditar que iremos contribuir com o outro de alguma maneira e esperamos que a contribuição seja recíproca, com a mesma intensidade e dedicação.

 

 

Eis o grande equívoco das relações.
Prever e almejar que o outro se comporte como desejamos é um fardo muito difícil de se carregar, pois criamos expectativas. Queremos prever e controlar o outro conforme as nossas interpretações.
A proposta de contribuir e agregar nos auxilia muito. Ter consciência disso, e das limitações decorrentes, tornamo-nos pessoas melhores a cada dia e isso é fundamental.
A premissa maior é o nosso benefício e o nosso desenvolvimento.
 
Com esta visão, sempre nos surpreendemos percebendo que as relações agregadas tendem a ampliar nossas perspectivas.
Devido às carências humanas que nos acompanham, “optamos” por vezes em acreditar que nas relações teremos o papel de completar o outro ou de sermos completados.
Reconhecemos uma falta, e buscamos suprir a falta na relação com o outro.
 
Fazendo uma analogia com formas geométricas e peças de quebra cabeça, as relações podem ser elucidadas de várias maneiras.
Em um quebra cabeça, algumas peças evidenciam a existência de um espaço, onde outra peça a completará, para assim constituir uma imagem. Entretanto, quando as peças são separadas, elas não possuem um sentido ou um significado. Realmente estão incompletas.
 
Já nas formas geométricas, cada forma sozinha por si é completa, possui um sentido e uma importância singular. Se, por ventura, duas formas se unem em conjunto conseguem evidenciar uma nova estrutura, mas não deixam de ser o que eram em sua essência isolada.
Nos relacionamentos, algo muito similar acontece; quando nos percebemos como formas geométricas, agregamos ao outro e o outro nos agrega. Ninguém depende de ninguém. O outro não se torna uma condição para a sua constituição.
 
Agregar, somar, compartilhar são verbos que enriquecem e fortalecem os relacionamento; já verbos como depender, condicionar e completar tendem a tornar as relações pesadas, pois ambos os lados se percebem prejudicados.
Ser peças ou formas, pode ser um dilema, mas não é um regra ou uma receita para relacionamentos bem-sucedidos. Perceber se estamos nos comportando como formas ou peças nas relações favorece o ato de optar.
 
Ter a ciência disso é o que faz a diferença !

 

Por Bruna Colmann